domingo, 30 de maio de 2010

As gentes de Macau

Nasciam, viviam e morriam suspensos no Rio das Pérolas.

Sampans

Silenciosos, deslizam num mar de prata cheio de vida.

Macau ao fim do dia

"[...] Daquela região do globo ficaram-me várias memórias. Das gentes, do pôr do sol, que, não sei porquê, sempre achei especial, misterioso, balsâmico..." de P. Rufino

sábado, 29 de maio de 2010

Dennis Hopper - born to be wild


Dennis Hopper, o genial actor e realizador de Easy Rider e de tantos outros fimes "culte" partiu definitivamente. E com ele um pouco de mim.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Asneiras


O nosso passa-tempo favorito era ir à caça de cobras ou brincar com panchões. Fugimos sempre a tempo da vingança das serpentes, mas raramente das sovas monumentais que apanhávamos quando chegavam aos ouvidos dos meus pais os relatos das nossas aventuras pirotécnicas.

"Chiner"


O passa-tempo favorito dos meus pais era "chiner" nos antiquários de Macau e de Hong-Kong.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Panchões

A maior fábrica de panchões de Macau ficava na Ilha da Taipa. Centenas de homens, mulheres e crianças trabalhavam na indústria de panchões. De vez em quando, um (ou mais que um) paiol explodia. O estrondo era medonho e quase sempre havia mortos e feridos. Uma das maiores explosões, de que me lembro, ocorreu a 25 de Setembro de 1954 e provocou oito mortos entre os quais duas crianças e dezenas de feridos.

Perto da nossa casa, no largo da Igreja de Nossa Senhora do Carmo, era frequente ver-se um estendal de panchões a secar. Era aí que nos abastecíamos.


10 de Junho de 1957 (2)

Depois das celebrações oficiais, festival de chapéus para o banquete

10 de Junho de 1957

Para as comemorações do dia de Camões, a minha mãe foi convidada para fazer o discurso da praxe. Encontrei há tempos o rascunho do texto que ela preparou para a ocasião.

"Excelentíssimo Senhor Governador de Macau,
digníssimas autoridades,
minhas senhoras, meus senhores,
queridos alunos,
Vieram hoje aqui, a esta gruta, para ouvirem contar una história. Não é de fadas nem de príncipes encantados; é sim um príncipe, o Príncipe dos Poetas Portuguêses que contou nos Lusíadas os feitos sublimes e imorredouros dos que honraram a Raça Portuguêsa, "aqueles que por obras valorosas se vão da lei da morte libertando" [...]
Presidiu a cerimónia Joaquim Marques Esparteiro, Oficial da Marinha,  foi Governador de Macau de 1951 a 1957.

as digníssimas autoridades