sábado, 28 de dezembro de 2013

Datas que não se esquecem

Les amoureux de Peynet

Porque é o único casal amigo -da minha geração- que conheço que namora há 50 anos e festeja hoje* 40 anos!!! de casados, aqui fica uma singela homenagem ao amor! 

*os meus pais também se casaram num 28 de Dezmbro

Em tempo: Como disse a minha amiga Helena, é de ficar maravilhado!

domingo, 22 de dezembro de 2013

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Lawrence dos meus sonhos

Dava tudo, mas tudo, para passar mil e uma noite no deserto a contemplar este azul

Debonair


Peter O'Toole (1932-2013) the most charming, courteous, dashing, elegant, sprightly, well-bred, cultivated, gallant, gentlemanly, refined, sophisticated and extremely dazzling man has just left the stage. Farewell Lawrence!

sábado, 7 de dezembro de 2013

Parabéns a Helena Sacadura Cabral

"Vida e Alma
Há hoje uma grande necessidade de reencontrar valores e emoções que a maioria de nós julgará perdidos. Não estão. Apenas se encontram adormecidos. Talvez por isso, começou a nascer em mim a vontade de repensá-los. Foi assim que surgiu este breviário dos sentimentos, um por cada dia do mês. 
Acredito que a sensação que me invade quando penso que tenho família, amor, amizade, saúde, casa e trabalho é muito próxima da que, julgo, será a da felicidade. E, quando me é dada a fabulosa possibilidade de ver dois netos crescer, devo estar muito perto de poder considerar-me uma mulher feliz! Será que não deveríamos todos, neste momento difícil para muitos, tentar requalificar as nossas prioridades, de modo a sentirmo-nos um pouco menos infelizes e vazios?
Espero que ao lerem este livro possam fazer a vossa própria viagem sentimental e persigam na busca incansável dos valores que quebram a espuma dos dias e são o esteio do nosso corpo e da nossa alma".
Os anos passam, os desgostos multiplicam-se mas a chama permanece intacta! Este é o grande segredo da minha querida amiga Helena Sacadura Cabral a quem desejo um feliz aniversário e um grande sucesso nesta viagem, que partilha conosco, em busca da felicidade.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Nelson Mandela

Morreu Nelson Mandela e com ele os nossos melhores sonhos.



«Il disait qu'il n'était «ni un saint ni un prophète». Il déplorait qu'on le présente comme «une sorte de demi-dieu». Il insistait sur ses «erreurs», ses «insuffisances», ses «impatiences». Jusqu'au bout, tandis qu'on le fêtait à travers le monde, tandis que les Etats et les puissants lui tressaient des lauriers, lui dressaient des statues, lui décernaient des palmes et des récompenses, tandis qu'un peu partout on donnait son nom à des milliers d'écoles, d'universités, de rues, de places, de parcs et d'institutions diverses, jusqu'au bout il s'est voulu «un homme comme les autres, un pécheur qui essaie de s'améliorer».

"Ce n'était ni un messager de Dieu ni un ange descendu du ciel. Pas même un pacifiste. C'était un humain, issu de la noblesse d'Afrique, un fils de chef, né dans l'orbite des étoiles, élevé pour régner et commander. Mandela était un géant comme il en éclot moins d'un par siècle sur la planète. Il faudrait une bibliothèque entière pour restituer l'œuvre du personnage. Et des centaines d'ouvrages ont déjà été écrits à travers le monde sur le destin et la pensée de ce charismatique et énigmatique vieux sage". (...). Sa longue histoire, racontée dans Le Monde continue iciici et ici.
PS: En réponse au commentaire de mon amie Helena Sacadura Cabral, dont le vœux je partage, je ne peux m'abstraire de la dure réalité. Malgré le sacrifice de cet homme que nous admirons et que laissera son empreinte dans l'Histoire, la réalité de la vie de la majorité des noirs de l'Afrique du sud reste, hélas, à désirer comme on peut voire dans ce reportage de John Pilger (Journaliste australien, auteur notamment du livre Freedom, Next Time,ainsi que du documentaire Apartheid did not die)

NELSON MANDELA - Sa grandeur lui survivra, mais pas son héritage

domingo, 1 de dezembro de 2013

Dia da Autonomia da Pátria Portuguesa


"A Restauração da Independência é -ou antes, foi- um feriado comemorado em Portugal anualmente no dia 1 de Dezembro, para assinalar a recuperação da independência nacional face á Espanha no ano de 1640, que durante 60 anos ocupou o país e o oprimiu.
A morte de D. Sebastião (1557-1578) na batalha de Alcácer-Quibir, apesar da sucessão do Cardeal D. Henrique (1578-1580), deu origem a uma crise dinástica. Nas Cortes de Tomar de 1581, Filipe II de Espanha é aclamado rei de Portugal. Durante sessenta anos Portugal sofreu o domí­nio filipino. Foram três os reis espanhóis que governaram Portugal entre 1580 e 1640: Filipe I, Filipe II e Filipe III.
A capital do Império passou a ser Madrid e Portugal foi governado como uma Província espanhola.

O que levou á Restauração da Independência foi a instabilidade e a insatisfação que se notava em Portugal e o desrespeito dos privilégios nacionais que estava a provocar descontentamento. Os impostos aumentavam; a população empobrecia; os burgueses ficavam afectados nos seus interesses comerciais; a nobreza estava preocupada com a perda dos seus postos e rendimentos; e o Império Português era ameaçado por ingleses e holandeses perante o desinteresse dos governadores filipinos.

Assim, no dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 fidalgos dirigiu-se ao Paço da Ribeira onde estavam a Duquesa de Mântua, regente de Portugal, e o seu Secretário, Miguel de Vasconcelos.
A Duquesa foi presa e o Secretário morto. Foi assim que Portugal recuperou a sua independência, sendo D. João IV,. Duque de Bragança, aclamado rei, com o cognome de “O Restaurador” dando iní­cio á quarta Dinastia – Dinastia de Bragança". in Feriados nacionais